Faculdade de Engenharia oferece cinco novas habilitações e mestrado em 2010

Por Patrícia Rossini

Esse ano, novos cursos estão sendo oferecidos na Engenharia

Esse ano, novos cursos estão sendo oferecidos na Engenharia

Em 2009, os cursos de engenharia da Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)  completam 95 anos de atividades. Além do aniversário da unidade, os diretores, servidores, docentes e alunos tem mais motivos para comemorar: a criação do mestrado em Espaços Urbanos, cinco novas habilitações para o curso de Engenharia Elétrica e a criação da graduação em Engenharia Mecânica.

As novas habilitações, em Robótica e Automação Industrial, Sistemas de Potência, Sistemas Eletrônicos, Telecomunicações e Energia já serão oferecidas nos concursos Vestibular e Pism 2010. Já a criação do curso de Engenharia Mecânica no próximo ano foi aprovada pelo Conselho de Graduação, em reunião na última quarta-deira, 26 de agosto, mas ainda será submetida à aprovação do Conselho Superior, que deverá deliberar sobre o tema nas reuniões de setembro.

O curso e as habilitações fazem parte do Projeto de Reestruturação e Expansão das

Júlio Teixeira, diretor da Faculdade de Engenharia e Arquitetura

Júlio Teixeira, diretor da Faculdade de Engenharia e Arquitetura

Universidades Federais (REUNI). Segundo o diretor da Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Júlio Teixeira, cada habilitação terá 36 vagas declaradas e 6 destinadas aos alunos do Barcharelado em Ciências Exatas. Além disso, houve ampliação de cadeiras nos cursos de Arquitetura e Urbanismo – de 50 para 60 – e de Engenharia de Produção, de 40 para 60 vagas.

“Não é interessante criar muitas vagas no mesmo curso, pois o mercado de trabalho não absorve esses profissionais. Então, na medida que as tecnologias se desenvolvem, surge a necessidade de reestruturar os currículos dos cursos tradicionais para adaptá-los a uma nova realidade. Neste sentido, surgiram as novas habilitações da Engenharia Elétrica”, explica Teixeira. (Ouça)

O pró-reitor de Graduação, Eduardo Magrone, reafirma a conformidade dos novos cursos com o mercado. “As habilitações estão sintonizadas com o mercado de trabalho. Isso foi resultado de um estudo dos currículos, realizados por consultoria, que apontou soluções mais adequadas à realidade de Juiz de Fora e da UFJF. Por conta disso, houve mudança no projeto original do Reuni para a Engenharia.”

Já o mestrado, conforme conta o diretor, foi criado para atender uma demanda histórica dos alunos da graduação. “O mestrado é interdisciplinar, pode receber alunos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e das Engenharias Civil e de Produção. Para eles, representa uma possibilidade de se aprofundar em pesquisa. Para nós, é uma grande conquista.”

Teixeira ressalta a aprovação do projeto em sua primeira apresentação à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). “A ideia surgiu em 2006 e o projeto foi desenvolvido ao longo de dois anos. Apresentamos o projeto à CAPES em 2008 e conseguimos aprovar.”

Para receber os novos alunos, o momento é de preparação e planejamento. Além da contratação de 15 novos professores, a Engenharia aguarda a realização do Concurso Público para Técnicos Administrativos, que foi adiado por causa da gripe suína, para contratar 16 funcionários.

Os prédios estão sendo ampliados.

Os prédios estão sendo ampliados.

A ampliação física já está em andamento. Um prédio, de 5.200m2, com 23 salas,novos laboratórios de informática e quatro anfiteatros, deve ser inaugurado em 2011. Para informar os candidatos acerca dos novos cursos oferecidos, a Faculdade de Engenharia confeccionou três mil folders, que estão sendo distribuídos nas escolas e cursos pré-vestibular da cidade.

“Gestão de risco”

O diretor da Faculdade de Engenharia e Arquitetura afirma estar satisfeito com a aplicação dos recursos do Reuni, que chega ao terceiro ano de implantação em 2010. Entretanto, Teixeira teme que o projeto de reestruturação seja interrompido por um novo governo, depois das eleições presidenciais.

“Até agora, tudo o que foi proposto está sendo cumprido. Porém, como os dois últimos anos do Reuni cairão nas mãos de um novo Governo federal, optamos por fazer uma gerência de risco desses recursos. Se o programa tiver problemas de continuidade, todas as unidades da Engenharia terão o mesmo déficit de recursos”, completa. De acordo com Teixeira, a meta é atingir 60% da implantação em 2010.

Magrone considera a preocupação legítima. “A mudança de um governo pode implicar em mudanças, caso o novo presidente não tenha em sua pauta de prioridades o fortalecimento das instituições federais de ensino superior. Entretanto, o Reuni está muito consolidado na UFJF, não estamos atrás de nenhuma outra universidade do país. Em 2010, estaremos em uma fase adiantada, inclusive superando metas do calendário oficial.”

Devido ao ritmo de implantação do Reuni em Juiz de Fora, o pró-reitor descarta a necessidade de se fazer gestão de risco. Segundo ele, a meta é otimizar a aplicação dos recursos. “Acredito que, em 2010, estaremos muito próximos de concluir as metas de estrutura e recursos humanos previstas pelo projeto. Vamos continuar trabalhando e, dessa forma, também é possível minimizar desgastes e perdas num eventual problema de descontinuidade no próximo Governo federal.”

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s