Arquivo do dia: setembro 9, 2010

Depois de adiada, Lei da Cadeirinha entra em vigor

Por Lucilia Bortone

Entrou em vigor no início de setembro a Lei da Cadeirinha para o transporte de crianças em automóveis. Segundo a lei, que deveria ter sido implementada em junho, crianças de até sete anos e meio de idade devem ser transportadas em assentos especiais e o não cumprimento implica em multa de R$191,54 e sete pontos na carteira de habilitação. A reincidência pode levar também à apreensão do veículo.
Os pais devem ficar atentos aos modelos disponíveis nas lojas. Bebês de até um ano devem ser transportados no bebê conforto; de 1 a 4 anos na cadeirinha; e crianças de 4 a 7 anos e meio no assento de elevação (booster). Todas devem ter o selo do Inmetro.

(A vendedora Tiara Inêz explica a diferença entre as cadeirinhas. Veja o vídeo)

De acordo com o empresário Nício Fontes Garcia ainda há problemas no estoque das lojas. “Estamos encontrando problemas na distribuição das cadeirinhas e a lista de espera continua desde junho, mas muitos pais deixaram para a última hora mais uma vez”, disse.

Na internet o comércio de cadeirinhas ainda é reduzido. Muitas lojas estão com modelos em falta e sem previsão para entrega. Os preços variam entre R$ 120 e R$ 1000.

Segurança

Dados do Ministério da Saúde apontam que, a cada ano, duas mil crianças morrem em acidentes de trânsito. Em 40% dos casos a criança está dentro do veículo. “Os traumas podem se agravar quando o transporte não é feito da maneira correta”, afirmou o ortopedista e traumatologista, Claudio Cunha.
A funcionária pública Maria Sueli Navarro diz que foi difícil encontrar a cadeirinha no mercado, mas que a segurança da filha de quatro anos vem em primeiro lugar. “É um gasto a mais que está fora do orçamento das famílias, mas é para a segurança dos nossos filhos”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano

Pesquisa americana relaciona Alzheimer e Artrite Reumatóide

Por Lucilia Bortone

Uma pesquisa feita nos EUA apontou que pessoas com Artrite Reumatóide têm menos chances de terem Alzheimer. Segundo pesquisadores isso acontece por ação de uma enzima produzida pelo organismo que inibe a destruição dos neurônios e pode ser resultado do uso contínuo de anti-inflamatórios.
De acordo a neurologista Glaucia Elena Frizzero, há muito o que se descobrir sobre a Doença de Alzheimer. “Essa relação com a artrite reumatóide é baseada em evidências”, disse. (
Ouça a entrevista da neurologista Glaucia Elena Frizzero na íntegra).

O Alzheimer

A Doença de Alzheimer tem esse nome por causa do Dr. Alois Alzheimer que, no início do século XX, percebeu mudanças no tecido cerebral de uma paciente. A doença é mais comum na população idosa, mas também pode afetar jovens.
Segundo
pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais, no ano de 2008 a população de maiores de 60 anos era de aproximadamente 19 milhões de pessoas. Entre elas cerca de 800 mil eram possivelmente portadores da Doença de Alzheimer.

Informativos para as famílias dos portadores de Alzheimer (Foto: Lucilia Bortone)

“O Alzheimer é uma doença neurológica crônica, degenerativa e evolutiva. Degenerativa no sentido de que provoca a produção de determinadas substâncias de forma incorreta no campo da memória e tem caráter progressivo”, explica a neurologista Glaucia Elena Frizzero. A médica diz ainda que muitos portadores da doença são saudáveis clinicamente em outros aspectos, como o cardiológico.

Cuidados com o paciente

O acompanhamento da família junto a um neurologista e um neuropsicólogo é de grande importância no tratamento do paciente. Sites dedicados à doença também proporcionam um suporte para as famílias, como é o caso da Associação Brasileira de Alzheimer e da Associação dos Amigos e Parentes de Amigos de Pessoas com Alzheimer, Doenças Similares e Idosos Dependentes.
O diagnóstico do Alzheimer é difícil, porque muitas vezes o portador da doença não consegue perceber os
sinais. Uma das possibilidades de se identificar a doença é a partir de biópsia cerebral, mas é um procedimento arriscado.
O que se faz são exames como ressonância magnética para eliminar outras causas de demência, como tumores e deficiência de vitamina B12. “Nós não temos na medicina uma cura para a Doença de Alzheimer, mas uma gama de possibilidades terapêuticas de medicamentos para evitar que a doença tenha uma progressão rápida”, disse a neurologista, Glaucia Frizzero.
Muitos têm dúvida quanto à hereditariedade da doença. Segundo a médica, quando temos parentes portadores de Alzheimer, a chance de que outros membros da família venham a desenvolver a doença é um pouco maior do que o resto da população em geral.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia

Ônibus de Juiz de Fora circulam com fluxo invertido

Por Gabriela de Carvalho

Desde o dia 2 de agosto a entrada de passageiros nos ônibus urbanos de Juiz de Fora passou a ser invertida, ou seja, agora entra-se pela parte dianteira dos veículos e se desembarca pela parte traseira. Até o final do mês passado, 25% da frota de ônibus da cidade já havia sido modificada.

Atenção redobrada

A novidade causa transtornos entre os juizforanos. Os usuários não se acostumaram com o embarque dianteiro e como ainda não foram modificadas todas as linhas, a atenção do passageiro que espera pela condução no ponto de ônibus deve ser redobrada. “Fico perdida sem saber qual ônibus devo entrar pela frente, qual devo entrar por trás. Às vezes vou correndo pra porta traseira e vejo que a porta de entrada é a da frente. Mas acho que com o tempo vou acabar me acostumando com essa novidade.” Disse a vendedora Jucélia Fernandes.

O que mudou?

Os usuários devem ficar atentos às sinalizações na frente e nas laterais dos ônibus. Com a mudança do embarque, a roleta vai para a parte dianteira do ônibus, ficando próxima ao motorista.  Os assentos preferenciais para grávidas, idosos, obesos e portadores de deficiências continuam assegurados, antes da roleta. Este grupo continuará a entrar pela porta da frente. Já os cadeirantes continuarão usando a porta do meio.

Com a intenção de promover mais segurança e conforto, são os motoristas e cobradores quem mais gostaram dessa mudança.

A linha 508 é uma das que já circula com o fluxo invertido (foto Gabriela de Carvalho)

Ouça a sonora do trocador Marcelo da Silva.

Melhorias

Segundo a Settra, Secretaria de Transporte e Trânsito, cerca de 27 mil usuários vão ser beneficiados com essa primeira fase da implantação do fluxo invertido.

Dentre as melhorias propostas por essa modificação estão: (em tópicos essas modificações vão ser mais facilmente visualizadas)

– diminuição no tempo de embarque;

– maior conforto e maior espaço útil para acomodação dos usuários;

– aproximação dos cobradores e motoristas com redução da evasão de receita, dos assaltos;

– aumento da segurança no embarque e desembarque dos cadeirantes;

– redução dos acidentes decorrentes da travessia dos passageiros na frente do ônibus;

– controle mais efetivo das gratuidades obtidas pela bilhetagem eletrônica, reduzindo a evasão de receita e igualdade no embarque para as gratuidades.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano, Webjornalismo

Exposição que retrata Paris na história do cinema continua em JF

Mostra “Paris no Cinema” está em cartaz no Espaço Cultural Correios, com exibição de filmes diariamente, até 25 de setembro

Por Mariana do Amaral Antunes

Exposição é inédita e está em cartaz no Espaço Cultural Correios de JF

Imagine passear pelas ruas de Paris, capital da França, e conhecer seus monumentos, pontos turísticos e passagens históricas. Essa é a proposta da exposição “Paris no Cinema”, mostra inédita em Juiz de Fora que segue no Espaço Cultural Correios até o dia 25 de setembro. Abordando o universo da sétima arte, a exposição apresenta os filmes que tiveram a cidade-luz – onde aconteceu a primeira exibição pública – como cenário, propondo que os visitantes realizem um percurso por um mapa estilizado da cidade, ampliado em uma das paredes da galeria.

A mostra apresenta trailers e produções na íntegra, incluindo sucessos como fabuleux destin d’Amélie Poulain e 101 Dalmatiens, exibidos diariamente às 10h30 e às 15h. Os títulos foram cedidos pela Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e pela Aliança Francesa de Juiz de Fora.

Para Tâmara Braga, curadora, exposição é para público de todos os gostos

Segundo a curadora da mostra, Tâmara Braga, a ideia não é só retratar a cidade de Paris, mas a também trazer informações sobre a história do cinema e a capital da França enquanto cenário e palco de manifestações artísticas.

“A mostra reforça o diálogo franco-brasileiro pouco tempo após as comemorações do ano da França no Brasil, e beneficia tanto estudantes da cultura francesa como interessados em cinema em geral”, explica a curadora.

Para quem se interessa pela língua e cultura francesas, a exposição também é uma ótima pedida. A professora de francês Bianca Pinto levou seus alunos do Pólo de Envelhecimento da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)  para conhecer a mostra e gostou muito do que viu na exposição. “É uma pequena amostra de Paris, cidade que todos amam mesmo que não conheçam ainda. E como lá o cinema começou, nada mais relevante do que falar um pouco de nossas origens também. Os alunos adoraram”.

Leia também: R$390 mil para projetos culturais em Juiz de Fora

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura e Arte

Promoções e facilidades de pagamento aumentam as vendas de PCs na cidade

Por Isabel Miranda

Uma pesquisa realizada pelo centro de estudos IDC apontou um crescimento de 16% em 2010 nas vendas de computadores pessoais no Brasil. Estima-se que até dezembro a venda alcance 12,8 milhões de unidades.

Em Juiz de Fora a resposta está estampada nas vitrines e campanhas de publicidade. As promoções e as facilidades de pagamento estão atraindo novos consumidores e impulsionando as vendas.
De acordo com o gerente da Ipasoft , Luciano Machareth, o computador deixou de ser um artigo de luxo e passou a se tornar um eletrodoméstico. A loja, segundo ele, teve cerca de 30% de aumento nas vendas em relação ao mês passado. O gerente fala ainda sobre outros fatores que influenciaram o aumento pela procura dos PCs.

Por que a população está adquirindo mais computadores?

Acompanhe a entrevista.

Outra loja especializada em tecnologia na cidade é a Microtools . Segundo a analista de Marketing da loja, Larissa Schuery, a venda dos desktops caiu nos últimos três anos. “Essa queda é justificada pela substituição dos computadores pelos portáteis, como os notebooks e netbooks”, explica a analista. Entretanto, Larissa afirma ainda que a compra de computadores ainda é forte no meio corporativo.

O estudo da IDC detectou também a entrada da classe C no mercado de notebooks. Para atender essa parcela do mercado, a Microtools oferece a opção de pagamento via carnê. O resultado dos investimentos já pode ser visto: um aumento de 18% sob as vendas no mesmo período do ano passado.

Comprar netbook ou notebook?
Com a chegada dos netbooks os consumidores ficaram confusos. É mais vantajoso levar um notebook ou um netbook?

O gerente da Ipasoft, Luciano Machareth fala sobre o assunto.
De acordo com o professor da UFJF, especialista em Ciência da Computação, Eduardo Barrere, essa decisão deve ser pautada em três necessidades principais:

1) Orçamento
O preço de notebooks e netbooks pode variar de acordo com a configuração da máquina. Porém, em geral, os netbooks pesam menos no bolso do consumidor. Enquanto um notebook pode sair a R$2 mil reais, um netbook, custa em torno de R$1 mil.

2) Finalidade do equipamento
Você vai usar o seu portátil para que? Navegar na web? Escrever textos? Jogar jogos? Baixar vídeos e músicas? Essas perguntas ajudam a definir quais características o aparelho deve ter.

3) Características
Os netbooks são mais conhecidos por sua portabilidade: são leves, feitos para serem carregados dentro da bolsa. Porém não possuem leitor de disco óptico, para acessar CDs e DVDs. Além disso, disponibilizam pouco espaço para armazenamento, uma média de 4GB, enquanto os notebooks tradicionais, 160GB. Outra característica importante sobre os netbooks é o tamanho da tela. Suas dimensões reduzidas se aplicam ao teclado e às telas que vão de 7 a 9,8 polegadas. Um notebook pode chegar a 21 polegadas.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia