Arquivo do dia: setembro 13, 2010

Plano Nacional de Banda Larga vai oferecer internet rápida e barata à população de Juiz de Fora

Por Débora Lemos

Juiz de Fora está incluída nas 100 primeiras cidades que serão atendidas pelo Plano Nacional de Banda Larga. O programa tem como objetivo universalizar a internet rápida no país e incentivar a inclusão digital da população.

A estatal Telecomunicações Brasileiras S.A.(Telebrás) será a gestora ou “espinha dorsal” do plano, mas o governo quer que empresas privadas atuem de forma complementar, levando o serviço ao usuário final através de um plano mais barato. A expectativa é que o serviço esteja disponível na cidade em até 45 dias.

A estudante de Engenharia de Produção, Fausta Corrêa Nogueira, conta que quando mudou para Juiz de Fora teve dificuldades para escolher qual internet iria colocar na sua casa. “Estavam todas caras. As mais baratas eram a rádio, e não atendiam às minhas necessidades”. Confira a opinião da estudante na íntegra.

Estudantes terão acesso rápido e barato à internet com o Plano Nacional de Banda Larga. Foto por Débora Lemos

Investimentos

Segundo a assessoria de comunicação da Telebrás, o preço médio estimado a ser pago mensalmente pelo consumidor final é de R$ 35, por uma velocidade mínima de 512 Kbps. O valor é bem diferente do que se vê hoje com as empresas privadas que oferecem o serviço na cidade, como a Net e a Velox, por exemplo; que ainda exige que o consumidor tenha uma linha telefônica.

O especialista em Tecnologia de Informação, Vinicius Dias Guerra, afirma que a iniciativa do governo é muito válida. “O acesso a banda larga com custo mais baixo possibilitará maior abrangência da internet. Mais pessoas terão acesso a pesquisas, consultas e até mesmo à parte comercial”. Ouça a entevista completa.

Resultados

Além de Juiz de Fora, outras sete cidades mineiras foram contempladas pelo programa. São elas: Barbacena, Conselheiro Lafaiete, Ibirité, Sabará, Uberaba, Ribeirão das Neves e Santa Luzia.

A expectativa da Telebras é de que o PNBL atenda a mais 1.063 cidades em 2011 e que todo o país seja abrangido até o fim de 2014.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia

Adoção de animais, um gesto simples e de responsabilidade

Sandra das Graças cuidando dos cães em sua casa

Por Thaís Pires

Ter um animal de estimação poder ser uma experiência única. Companheiros, fiéis e amorosos, os cães passam a ser membros da família. Adotando um cão de um abrigo a pessoa salva uma vida e dá a oportunidade para o cachorro ser retirado da rua. Mas nem tudo é só diversão, os animais também necessitam de carinho, abrigo, respeito e cuidados, como tratamento veterinário e vacinas.

No Brasil, estima-se que o número de cães abandonados pode chegar a 20 milhões. Em Juiz de Fora, há um grande número de cães e gatos que vagam pelas ruas e que são abandonados. Para ajudar esses animais e disponibilizá-los para a adoção, podemos encontrar diferentes tipos de abrigos.

Sandra das Graças resolveu ajudar os cães de uma forma independente. Depois de conhecer uma associada da Sociedade Protetora dos Animais, passou a tirar os cães que encontrava nas ruas e a levar para casa, na Vila Olavo Costa. Com uma ajuda de custo e doações, para cobrir tratamento veterinário, vacinas e ração, Sandra disponibilizou sua mão-de-obra para cuidar dos animais. Na sua casa, ela dá banho, lava o quintal onde ficam os cães e trata dos ferimentos dos que chegam acidentados.


Kika

Sandra, que já chegou a ter 58 cães em sua casa, hoje conta com 19 para doação e 11 inválidos. Devido a reclamações dos vizinhos por causa de latidos constantes, ela não acolhe mais cães para poder acabar com o abrigo. Para ela será uma pena não ter mais cães em sua casa, pois cada um que encontra tem uma história, como a Kika que foi encontrada muito magra, cheia de vermes e anêmica. Depois dos cuidados de Sandra, Kika, que tem cerca de sete meses, é uma cadela alegre e brincalhona e está pronta pra ter um novo lar.

Assim como muitas pessoas, Sandra faz esse tipo ação porque gosta e não por obrigação e, segundo ela, se tivesse mais recursos continuaria com o trabalho e ajudaria mais cães.

Também presente na cidade para auxiliar os animais e dá-los à adoção, está a Sociedade Juizforana de Proteção aos Animais e ao Meio Ambiente (SJPA). Maria Elisa de Souza é uma das responsáveis pelo abrigo da SJPA, que fica na BR-040, km 785. Segundo ela, o abrigo tem hoje cerca de 300 animais, entre cães e gatos, recolhidos, na maioria dos casos, nas ruas. O foco são animais em situação de risco, que sofreram algum tipo de acidente, ou animais realmente abandonados.

Em parceria com o abrigo estão duas clínicas veterinárias da cidade que ajudam na recuperação dos cães e gatos acidentados e na manutenção de vacinas. Assim, os animais saem das clínicas e vão para o abrigo prontos para serem adotados.

De acordo com Elisa, a procura pelo abrigo para a adoção é constante, mas a maioria das pessoas vai à procura de filhotes e de cães de raça. Mas, para Elisa, os chamados vira-latas deveriam ter mais a atenção das pessoas por serem, muitas vezes, mais inteligentes do que outros tipo de cachorros e por terem mais facilidade de se adaptar em diferentes lugares.

Alguns cães do abrigo da SJPA

Elisa começou a trabalhar com os animais por causa de um sonho de infância e, assim como Sandra, também trabalha pela paixão que tem por eles. Segundo ela, o retorno vem das reações dos próprios animais, que demonstram de alguma forma um tipo de agradecimento por terem sido ajudados.

No Canil Municipal de Juiz de Fora, também podemos encontrar muitos cães que foram abandonados ou encontrados vagando nas ruas. Segundo um funcionário, o canil possui, hoje, mais de 300 cachorros, entre vira-latas e cães de raça, como PitBull. A frequência de adoção é por volta de 20 por mês, os mais procurados são os filhotes.

Muitos cães que estão no Canil Municipal chegam por abandono dos próprios donos. O funcionário do canil conta que algumas pessoas ligam para pedirem para deixar o cão ali. Como o canil não faz esse tipo de trabalho, essas pessoas insistem, largando o cachorro na portaria do abrigo.

Deixe um comentário

Arquivado em Cotidiano