Arquivo do dia: abril 27, 2011

O efeito de anabolizantes e os riscos reais para a saúde

Por Thalita Souza

Foi Oscar Wilde, um escritor irlandês reconhecido por sua ríspida franqueza, quem disse, em torno de 1870, que “só os tolos não julgam pela aparência”.  Ser considerado bonito é um desejo tão antigo quanto a própria humanidade, e a busca pela perfeição física acompanha as gerações sem respeitar limites geográficos.  Desde o hábito de amarrar os pés na infância, praticado por chinesas até 1950, ou o uso de espartilhos por volta do século XVI, praticado pelas mulheres inglesas, a sociedade parece acostumada a encarar modificações e acessórios perigosos no ritual das aparências.  Talvez por isso seja comum ignorar os riscos de medicamentos que são conhecidamente prejudiciais para a saúde em busca dos benefícios passageiros que eles oferecem. Esses remédios, conhecidos como anabolizantes, servem em maior parte como artifício de homens, que, exatamente como as mulheres,  se rendem à indústria farmacêutica e de cosméticos para se sentirem belos e atraentes.

Pés de uma chinesa de 84 anos após modificações com ataduras na infância

Não é portanto uma questão de sexo. Segundo pesquisa realizada pela 2B Brasil Research, com 400 homens, 82% deles, entre 25 e 64 anos, acha fundamental cuidar da aparência e gastam cerca de 15% do salário com produtos para essa finalidade.

O remédio  mágico

Enquanto os padrões de beleza exigem mulheres magras e esguias como as supermodelos famosas, o desejo de 85% dos homens brasileiros é ser forte. A vontade é antiga e pode ter origem nos elementos de masculinidade associdados aos músculos. Um bom exemplo é o desenho Popeye, famoso desde a década de 30 até os anos 90, e que sempre associou o aumento da força do protagonista com a possibilidade de enfrentar os inimigos e salvar a enamorada mocinha, criando na mente de jovens a sensação de que a massa muscular pode ser um símbolo de sucesso e admiração.

Os anabolizantes funcionam à base de hormônio masculino, testosterona, com as características anabólicas e androgênicas que geram a hipertrofia muscular em um menor espaço de tempo, dando essa ilusão “milagrosa” de um crescimento rápido do corpo, exatamente como o espinafre fazia com o personagem principal da animação.

O grande problema dessa ilusão é justamente por ter em sua origem um efeito enganador. O aumento de “tamanho” na verdade não é devido ao aumento de músculos saudáveis, e sim do acúmulo de água no corpo. Esse “inchaço” não tem qualquer relação com um aumento da força da pessoa e, além disso, piora significativamente a saúde. Espinhas, risco de impotência e distração, alterações de personalidade – como aumento de agressividade e ansiedade – estão entre os comprovados efeitos colaterais.

Além disso, o uso desses medicamentos, na maioria das vezes, leva à dependência. Depois de um período, de geralmente oito a dez semanas, a pessoa atinge seu auge muscular, mas o organismo não está preparado para produzir aquela quantidade de hormônios, e o usuário aos poucos começa a perder massa. O que o leva a começar um novo ciclo.

Um dos entrevistados, que não quis se identificar, afirma:  “Geralmente quem usa muito, e conhece, fica um período sem usar para o organismo dar uma estabelecida. Aí, depois de um tempo, usa de novo.” O que ameniza, mas não acaba com os efeitos colaterais.

O problema é na cabeça

A grande maioria de jovens que utiliza anabolizante não tem qualquer problema físico e o que os leva a utilizar esse recurso muitas vezes está relacionado a problemas com a auto-estima, como explica a psicóloga Dária Rodrigues. “Às vezes, existem imagens distorcidas de si mesmos e eles buscam recursos externos para se adequar aos padrões. Depositam no uso de anabolizantes não só a busca pelo corpo perfeito, mas se enquadrar no perfil. Perdem o limite porque o foco sai das relações interpessoais e o bem-estar individual, buscando reinserção através de um método artificial”.

Segundo o preparador físico Ricardo Aguiar, “as pessoas que malham conseguiriam efeitos similares e muito mais saudáveis e duradouros simplesmente fazendo atividades regularmente. Nenhum dos jovens que usa anabolizante costuma apresentar problemas para ganhar massa, e isso é mais uma atitude preguiçosa, de quem quer resultados na hora, mas isso é impossível”. Ricardo completa ainda afirmando que o exercício genuínio aumenta a porcentagem de massa magra no corpo, aquela que faz bem para a saúde, diminui a gordura do organismo e ainda aumenta a “força” de verdade, não falsamente como com os remédios. “Você se sente ficando mais forte e percebe uma melhora na coordenação motora e na habilidade de manusear peso no cotidiano”, finaliza Aguiar.

Desenho animado de 1933, Marinheiro Popeye

Para o preparador, qualquer pessoa pode se tornar um “Popeye” de verdade, mas, para isso, precisa de características como perseverança e disciplina; “valores muito mais reais do que o remédio mágico”.

O importante, de acordo com a professora de Educação Física, Marina Sant’Ana é “não se preocupar primeiramente com a forma física e sim com a saúde. É possível conseguir um corpo bonito, mas, para isso, deve se praticar atividades prazerosas, que irão influenciar em suas vidas de maneira positiva, que possam dar satisfação, onde possam estar em contato com outras pessoas e acima de tudo trarão saúde”.

Anúncios

Comentários desativados em O efeito de anabolizantes e os riscos reais para a saúde

Arquivado em Esporte

Vereador Isauro Calais, do PMN, é pré-candidato à PJF

Além do vereador, outros nomes como Margarida Salomão, Júlio Delgado e Wadson Ribeiro ganham espaço no cenário juizforano

Por Valentim Júnior

As eleições municipais acontecem apenas em 2012, mas as articulações partidárias e os possíveis candidatos já começam a aparecer no cenário local. No início de abril, o vereador Isauro Calais (PMN) divulgou sua entrada na disputa pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) no próximo ano. “O partido quer que eu seja candidato. Há um entendimento estadual para que a legenda lance candidatura própria em todas as cidades possíveis da Zona da Mata e também nos principais municípios do estado”, relatou Isauro. Essa postura adotada pelo PMN reflete sua procura por espaço entre os grandes partidos do cenário mineiro. “Eu vou coordenar esse processo de valorização da nossa sigla na Zona da Mata. Queremos ser personagens na eleição de 2012”, destaca o vereador de Juiz de Fora.

O nome de Isauro é bem aceito pelo PMN, já que, nas eleições para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais do ano passado, o candidato recebeu cerca de 25 mil votos em Juiz de Fora e por pouco não foi eleito, ocupando a primeira vaga de suplente da coligação do partido. Além disso, o político foi presidente da Câmara dos Vereadores de Juiz de Fora por dois mandatos e, em 2009, chegou a ser líder do Governo. Atualmente, figura na bancada oposicionista à atual gestão do Prefeito Custódio Mattos (PSDB).

No entanto, o pré-candidato à PJF confirma que quer dialogar com todos. “Temos que conversar com as pessoas, com quem gosta de Juiz de Fora. Sou oposição por questões administrativas, porque acho que muita coisa está na contramão da história. Mas, apesar de ver erros, vejo acertos também”, finaliza.

Outros possíveis candidatos

Além de Isauro Calais, outros nomes figuram na disputa eleitoral de 2012. Além da possível reeleição de Custódio Mattos (PSDB), a petista Margarida Salomão, Júlio Delgado (PSB), e Wadson Ribeiro (PCdoB) são políticos fortes que também podem entrar na disputa. Os três foram os candidatos a Deputado Federal mais votados no município em 2010.

Além de ter disputado o segundo turno pela PJF em 2008, Margarida Salomão foi a candidata a Deputada Federal mais votada na história de Juiz de Fora. No entanto, mesmo recebendo mais de 66 mil votos, não conseguiu se eleger, ficando na primeira suplência da coligação do PT.

Já Júlio Delgado (PSB) foi, mais uma vez, eleito Deputado Federal, tendo recebido em JF mais de 34 mil votos. Além de figurar no cenário político brasileiro há alguns anos, Júlio é filho do ex-prefeito Tarcísio Delgado, que dirigiu a cidade por três mandatos.

Wadson Ribeiro (PCdoB) também esteve entre os mais votados na cidade para Deputado Federal, recebendo mais de 20 mil votos, apesar de não ter sido eleito. Wadson, além de jovem na política, tem se destacado pela atuação na área esportiva, ganhando espaço no cenário político local.

Outro nome que tem sido cotado nos bastidores políticos é o do Reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Henrique Duque. Embora não seja concreta esta possibilidade, dirigir a instituição mostrou ser um trampolim para a vida política na cidade, tendo em vista a projeção que a petista Margarida Salomão ganhou após sua gestão frente à Reitoria.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Consumo excessivo de alimentos integrais pode prejudicar a saúde

Por Talitha Évely

A cada dia, a alimentação tem recebido maior destaque na nossa sociedade. A busca pelo equilíbrio e pela saúde mental e física é considerada preocupação e começou a ser prioridade para muitos.

Segundo pesquisa realizada pelo site Euromonitor, relacionada ao mercado de saúde e bem estar, o consumo de alimentos e bebidas deste setor teve um crescimento de US$ 8,5 bilhões em 2004 para US$ 15,5 bilhões em 2009, representando um crescimento de 82% em cinco anos.  O estudo apresentado é baseado na venda dos produtos diet e light, dos orgânicos e, principalmente, dos chamados alimentos integrais. A projeção é que este setor aumente em mais 39% até 2014 e movimente cerca de US$ 21,5 bilhões no Brasil, conforme o Euromoritor.

Os alimentos integrais são aqueles que não passam por nenhum processo de refinamento, desta forma conservam todos os seus componentes originais, incluindo cascas e películas. São exemplos de alimentos integrais produtos como cereais, açúcar mascavo, grãos integrais e pães integrais.

Para a nutricionista Evelyne Rocha, há muitos benefícios em se consumir alimentos integrais: “Por conservarem a casca e as películas, pode-se ingerir maiores quantidades de vitaminas, minerais e fibras. Essas estão relacionadas, por exemplo, com controle do colesterol, triglicérides, função intestinal.”

O que não é muito discutido é que o consumo excessivo destes alimentos pode causar grandes malefícios à saúde. “O consumo exagerado desses alimentos pode causar aumento no número de evacuações e, se o indivíduo consumir estes alimentos em excesso e não ingerir quantidades adequadas de água, pode ter constipação intestinal. Certa vez, tive em meu consultório o relato de um paciente que ouviu nos meios de comunicação que era bom para a saúde consumir um copo de aveia diariamente. O paciente seguiu esta dieta, porém não ingeriu água em quantidade suficiente, desta forma teve uma constipação grave e quase teve que ir para o hospital para ser medicado”, comentou a nutricionista.

Além disso, quando o consumo é exagerado, os fitatos, substâncias presentes nas fibras dos integrais, principalmente os crus, podem reduzir a absorção de minerais como zinco, ferro, cálcio. Nos idosos em especial, pois como a absorção pelo intestino é reduzida, o consumo exagerado pode causar a perda de cálcio.

Dieta à base de grãos

A estudante de Comunicação, Livia Haddany, não inclui em sua alimentação diária alimentos como carne, ovos, laticínios e derivados. A alimentação da jovem é  considerada um regime alimentar vegano. Para Livia, vegetariana desde os 17 anos e vegana há pouco mais de um ano, esta dieta apenas a exclui do consumo da vitamina B12. “Talvez seja necessário que eu  reponha essa vitamina após três anos de dieta vegana, mas conheço muitos veganos que até mesmo depois dos três anos ainda não apresentaram carência da vitamina”, diz.

Alimentação saudável

Para Evelyne, a base de uma alimentação adequada está no equilíbrio. “O consumo de alimentos integrais deve ser associado ao consumo de água e outros tipos de alimentos como leite e derivados, frutas, verduras e leguminosas.” Uma alimentação equilibrada proporciona o bom funcionamento do corpo e da mente.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia

Exercícios mal executados e em excesso podem ser prejudiciais a saúde

Por Raquel Morandi

De  acordo com a Organização Mundial de Saúde, alguns dos vários benefícios de se praticar exercícios, são: aumento da sensação de bem estar; perda e controle de peso; prevenção de doenças do coração, hipertensão arterial, osteoporose e diabetes tipo II; definição muscular; aumento da flexibilidade; melhora do sono; da memória e da disposição. Independente da atividade, seja ela, malhar, correr, caminhar, andar de bicicleta, jogar vôlei ou futebol, sua prática ajuda a melhorar a qualidade de vida de um modo geral. “O exercício físico desenvolve a musculatura trazendo maior estabilidade articular e melhor postura, melhora a função cardio-respiratória e consequentemente, o metabolismo num todo.”, explicou o ortopedista Cláudio Cunha.

A prática de exercícios físicos requer orientação de profissionais

Mas, antes de iniciar qualquer atividade física é crucial procurar um médico para fazer uma avaliação clínica e um educador físico para orientar na atividade escolhida.  Para o ortopedista, além de breves caminhadas, qualquer outro exercício físico necessita do acompanhamento de um professor de educação física. “Assim como seu médico é o indicado para avaliá-lo clinicamente, o educador físico com seus conhecimentos de anatomia e dos fundamentos da prática desportiva é o indicado para promover seu melhor desempenho com menor possibilidade de intercorrências negativas em seu estado de saúde.” A educadora física Luciana Ferreira vai além. “A atividade envolve muito mais do que executar um movimento. Cada pessoa tem a sua orientação, a intensidade e a forma mais indicada para fazer o movimento.”

A pratica de atividade sem orientação pode fazer com que, ao invés de trazer qualidade de vida, traga, principalmente lesões. “Podemos citar o aparecimento de dores musculares e articulares, estiramentos e distensões, hérnias variadas, desgaste articular precoce e sobrecarga cardio-respiratória, como algumas das conseqüências”, explicou Cláudio Cunha.

Atividade física é essencial para se ter qualidade de vida

Além da execução de maneira correta, exagerar nos exercícios também pode ser prejudicial. “O exercício físico praticado de maneira exagerada pode levar a dores musculares fortes e agudas que se não forem cuidadas, poderão evoluir para uma dor crônica que o deixará longe da prática de atividade física por um longo tempo”,  comentou a professora Luciana Ferreira. Dessa forma, para que a prática de uma atividade física leve a benefícios para a saúde e para a mente, os exercícios precisam ser dosados e orientados por profissionais.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia

Tecnologia muda hábitos de leitura

Por Betânia Barros

Nos últimos anos, o computador se tornou não só uma importante ferramenta de trabalho, mas também opção de lazer, principalmente agora com a chegada dos tablets. Com o avanço da tecnologia, ler um livro de papel tornou-se menos comum entre jovens e adultos. Por meio de versões online de jornais, revistas e livros, a leitura de arquivos digitais está facilitada e existem pessoas que já abriram mão do papel.

Para a estudante Letícia Pires, ler no computador tornou-se um hábito. “Ler no computador virou mais hábito do que vontade

Grandes jornais disponibilizam versões especiais para iPads

mesmo. É mais fácil e prático, junto com as outras atividades que tenho que fazer no computador.” Letícia ainda complementa que além de ler, escrever no computador é mais fácil. “Gosto de escrever no computador muito mais do que no papel. É mais fácil, mais rápido e quando erro, é só apertar um botão.”

Na contramão da facilidade, há quem prefira ter o papel à mão. O economista Humberto Silva diz que se sente mal ao ler no computador. “Os livros e jornais tradicionais são bem melhores, além de não prejudicarem a visão. Fico com dor de cabeça se fico muito tempo no computador.”

Estudo diz que leitura em iPads é mais prazerosa

Um estudo divulgado em junho do ano passado constatou que a leitura em iPads, um dos tipos de tablets, fabricado pela Apple, apesar de mais demorada, é a mais prazerosa. Foram pesquisados quatro dispositivos: papel, iPad, Kindle – um leitor de textos do tipo e-reader – e computador.

No entanto, alguns entrevistados disseram, dentre outras coisas, que não gostaram do peso do iPad e sentiram falta de paginação real. Segundo os pesquisados, o livro em papel foi o mais relaxante de todos, e o computador, o menos, por lembrá-los do trabalho. Vários quesitos foram avaliados, com pontuação atribuída para cada uma das especificações. No total, em uma possibilidade de 1 a 7, o iPad levou vantagem apertada, conseguindo a nota de 5,8 contra 5,6 dos livros.  O maior abismo apareceu em comparação com o computador, que recebeu a pior nota; 3,6.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência & Tecnologia

Encerradas as inscrições para o festival Aos Berros

Por Bruno Ribeiro

O festival Aos Berros de Cinema e Música Independentes encerrou suas inscrições na última segunda – feira, 25 de abril. O evento acontece no dia 11 de junho na praça da Estação e tem como objetivo estimular a cultura e oferecer oportunidades aos produtores independentes da cidade e região.

“Ainda não temos o número exato de inscrições na parte do audiovisual, já que algumas delas ainda estão a caminho. Mas posso dizer que fiquei bastante feliz e surpresa com o número de trabalhos inscritos e acredito que teremos bastante qualidade em termos de conteúdo no festival”, afirmou a produtora do evento, Aline Freitas.

Em relação à parte musical, o diretor executivo do evento, Davi Ferreira, confirmou a inscrição de mais de 10 bandas. “Iremos fazer uma pré-seleção em breve, colocando as que mais se destacarem no site, para que o público tenha acesso ao conteúdo”, comentou.

O festival Aos Berros tem como prêmio um incentivo financeiro de R$500 para os três melhores em cada categoria. “O festival conta com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura e, através desta parceria, podemos oferecer esta premiação aos que mais se destacarem. Além da visibilidade, acreditamos que o dinheiro é importante para incentivar e auxiliar os produtores culturais”, ressaltou a produtora.

Origem

O festival nasceu a partir do documentário Aos Berros – Movimento Punk em Juiz de Fora, dirigido por Davi Ferreira, com a colaboração de Jimmy Klauss e Aline Freitas. O registro mostra que o movimento punk ainda continua na cidade, com suas características próprias. No entanto, a pesquisa mostrou que as bandas têm pouco espaço para divulgar o trabalho realizado.  “Quando iniciamos essa pesquisa monográfica, nem imaginávamos o que iríamos encontrar. O resultado foi muito interessante e, a partir dele, resolvemos idealizar este evento, que tem uma importância muito grande. A cultura é parte da cidadania e precisamos incentivá – la”, finaliza Davi.

Clique aqui para outras informações sobre Aos Berros.

Confira o trailer do documentário Aos Berros

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura e Arte

Projeto Nova Juiz de Fora: horários de realização das obras e infrações dos motoristas contribuem para transtornos no trânsito

Por Erik Chaves

Na última eleição para prefeito de Juiz de Fora, o trânsito foi um dos principais temas discutidos entre os candidatos. O prefeito eleito, Custódio Mattos, criou um programa chamado “Nova Juiz de Fora”, com o objetivo de melhorar o tráfego de automóveis. A prefeitura iniciou obras viárias e de urbanização, atendendo 182 ruas, em 46 bairros de todas as regiões do município. Porém, o projeto feito para agradar os juizforanos vem causando transtornos na cidade. “Não vejo a hora de todas as obras acabarem e o trânsito voltar ao normal”, revelou o taxista Ricardo Siqueira.

Obras atrapalham o trânsito em JF

O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Coletivo de Juiz de Fora (Sinttro), Paulo Avezani, relata os principais problemas enfrentados pelos motoristas: “Está muito complicado dirigir nos horários de pico. As principais avenidas estão sempre engarrafadas e, até hoje, falta sinalização em algumas ruas, o que torna o trânsito ainda mais confuso”, afirmou.  De acordo com Paulo Avezani, o modo de diminuir o congestionamento nesta época de reformas é o investimento no transporte coletivo. “É necessário melhorar as condições, o conforto e o número de ônibus. Com isso, as pessoas passariam a privilegiar o transporte coletivo e, consequentemente, o fluxo de veículos na cidade diminuiria consideravelmente”, concluiu.

Engarrafamentos nos horários de pico se tornaram rotina na vida dos juizforanos

Para o estudante de Engenharia Civil da UFJF, Thiago Moreira, o horário da realização das obras é um dos fatores que aumentam o caos no trânsito: “Está cada vez mais complicado ir para a faculdade através da Avenida Independência. Acho que os problemas seriam menores se a reforma fosse realizada no período noturno, em feriados e em finais de semana”, declarou. A assessora de comunicação da Secretaria de Obras da prefeitura, Cláudia Pires, enumerou três motivos para as obras serem realizadas durante o dia: “Além do barulho perturbar o descanso dos moradores à noite, a qualidade técnica é pior e o custo é maior, pois é necessário pagar hora extra para os funcionários”. Já o comerciante João Guimarães acredita que o motivo seja outro: “Na minha opinião, o pretexto é demonstrar para a população que a prefeitura está trabalhando”, afirmou.

No entanto, nem todo mundo acha que o caos no trânsito da cidade seja culpa dos transtornos ocasionados pelo projeto Nova Juiz de Fora. “A pressa faz muitas vezes os motoristas esquecerem regras básicas de educação no trânsito, o que o torna tumultuado. Os cruzamentos fechados, carros parados em cima da faixa de pedestres ou atravessados no meio da pista são cenas de desrespeito facilmente constatadas”, falou o aposentado Osvaldo Rezende. O especialista em trânsito, José Ricardo Daibert, concorda que a individualidade no trânsito é um dos principais problemas. “Na ilusão de que alguns segundos podem fazer diferença, os motoristas interrompem as passagens dos veículos, dificultam o fluxo e causam engarrafamentos. Iniciativas egoístas que comprometem a coletividade”, declarou. Segundo ele, “isto é um problema cultural, mas que pode ser resolvido com uma política de prevenção e fiscalização eficiente”.

1 comentário

Arquivado em Cotidiano