Primeiro Plano populariza cinema em JF

Savio Melgaço – 03/11/2008

A sétima edição do Festival de Cinema Primeiro Plano chegou ao fim, na noite de domingo, 2 de novembro. Depois de uma semana com mostras competitivas, debates e palestras sobre cinema, além do Encontro Internacional de Audiovisual de Juiz de Fora e Mercocidades, o evento terminou com saldo positivo.  “Todas as sessões estavam lotadas, principalmente, as competitivas regional e nacional. O público juizforano compareceu”, afirma a produtora executiva do festival, Marcela Casarin.

Neste ano, a mostra tornou-se efetivamente internacional. Apesar de já contar com a participação de filmes de outras nações sul-americanas, só agora o Primeiro Plano superou as fronteiras do país. De 19 a 28 de novembro, os cinéfilos de Buenos Aires poderão conferir os principais premiados da história do festival. Segundo o coordenador Aleques Eiterer, é papel do evento promover intercâmbio com países da América do Sul.

Apesar da nova conquista e do aumento do número de inscritos (cerca de 180 filmes para a Mostra Nacional e de 30 para a Regional), o jurado do Prêmio Incentivo Primeiro Plano, Cristiano Rodrigues, e professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) explica que as produções apresentaram fragilidades. “Houve preocupação excessiva com tecnologia, em detrimento da consistência da idéia, e pouco tratamento de roteiro”, explica Cristiano.

Para a espectadora e socióloga, Joyce Louback Lourenço, 22, em relação às duas últimas edições, “a qualidade dos filmes e da organização foi superior.” No entanto, ela ressalta que diversas exibições começaram com atraso. Marcela Casarin explica que os problemas técnicos deram-se em decorrência da abertura do festival a novos formatos. “A competitiva nacional contou com filmes em padrão digital, diferentemente dos anos anteriores. Com isso, ocorreram alguns problemas de projeção.”

Já a estudante de 17 anos, Mariana Bellozi Domingues de Souza, e espectadora do festival, salientou a importância de promover o trabalho de diretores iniciantes. Todavia, segundo a jovem, faltou divulgação, à mostra cinematográfica juizforana. O espectador e aluno do curso de Comunicação Social, José de Assis Júnior, 20, tem a mesma opinião. “A quantidade de filmes produzidos e apresentados na mostra regional foi maior do que a do festival de 2007. Porém, a divulgação ainda deixa a desejar”, falou o estudante.
 
E o prêmio vai para…

Durante a noite de sábado, 1º de novembro, depois da exibição do filme “Waldick, sempre no meu coração”, de Patrícia Pillar, foram anunciados os vencedores do festival, em duas categorias: Mostra Competitiva Nacional e Mostra Competitiva Regional. Além disso, o melhor curta-metragem universitário foi contemplado pelo Prêmio Incentivo Primeiro Plano.

divulgação

Foto: divulgação

Segundo o diretor do curta “Os Filmes que não fiz”, Gilberto Scarpa, “o festival é importante para o país. Ele já ultrapassou as fronteiras. Entre os realizadores, é um evento conhecido”. Sua produção concorreu na categoria nacional e foi uma das maiores vencedoras da noite, ganhando três de 12 subcategorias analisadas pelo júri oficial; melhor trilha sonora, melhor montagem e melhor roteiro. O filme também foi considerado o melhor em película pelo júri popular.

divulgação

Foto: divulgação

O curta “Os Sapatos de Aristeu” foi escolhido o melhor filme da Mostra Nacional. A produção ganhou os prêmios de melhor diretor e de melhor atriz.

Desfocados” (assista às partes 1 e 2 do filme), dos estudantes de Comunicação da UFJF, David Gomes, Pedro Nogueira e Rodrigo Lobão, venceu a Mostra Regional, com o apoio do júri popular. O vídeo documentário, sobre a vida de moradores de rua, já foi exibido na França e na Rede Minas. Pedro acredita que os “personagens” do filme sejam responsáveis pelo sucesso.

divulgação

Foto: divulgação

O destaque, entretanto, ficou por conta do Prêmio Incentivo, inédito em sete anos de festival e decidido por três jurados. Estudantes da instituição de ensino superior Universo, responsáveis pela obra “Ibitipoca, Fé e Cura”, venceram a disputa e foram contemplados com R$5 mil, para a produção de um novo filme. Segundo o diretor Victor Zaiden, “a vitória é um incentivo rumo ao cinema. A partir de agora, o que antes era produzido em vídeo, será produzido em película”.
 
Confira, abaixo, os resultados do Primeiro Plano – Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades.

Mostra Competitiva Regional

Melhor Filme, segundo júri popular: Desfocados

Prêmio Incentivo Primeiro Plano

Ibitipoca, Fé e Cura

Mostra Competitiva Nacional

Melhor Filme: Os Sapatos de Aristeu
Melhor Direção: Luiz René Guerra, Os Sapatos de Aristeu
Melhor Roteiro: Cristiano Abud e Gilberto Scarpa, Os Filmes que não fiz
Melhor Fotografia: Carlos Ebert, Satori Uso
Melhor Montagem: Gilberto Scarpa, Os Filmes que não fiz
Melhor Trilha Musical: Ronaldo Gino, Os Filmes que não fiz
Melhor Ator: Adilson Maghá, Oxicianureto de Mercúrio
Melhor Atriz: Berta Zemel, Os Sapatos de Aristeu
Melhor Concepção Sonora: O Povo atrás do Muro
Melhor Direção de Arte: Carlos Nunes, Coda
Melhor Primeiro Plano: O Cineasta, a Menina e o Homem-Sanduíche
Melhor Filme Júri Popular: Os Filmes que não fiz

Conheça os prêmios das Mostras Competitivas

Conheça os prêmios das Mostras Competitivas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s