Restauração de fitas VHS para conversão em DVD ainda é precária na cidade

Davi Ferreira 08/04/09

VHS VelhasAlguns momentos importantes de nossas vidas a gente guarda para recordar. Sentimos a necessidade da lembrança e da importância do que vivemos. Muitos desses momentos foram filmados, fotografados e, hoje em dia, são digitalizados para enviarmos e compartilharmos com quem quisermos. Mas essa realidade ainda é recente. Muitas coisas que foram registradas na nossa vida (e se não na sua você certamente conhece alguém) foram feitas quando as fotos populares eram em negativos e os vídeos em VHS. No caso da foto, o scanner de mesa e os aplicativos de editoração gráfica suprimiram bem essa transição. Porém em relação aos vídeos a coisa ainda anda meio complicada .

Ainda são muitos os arquivos de vídeos dos anos anteriores ao DVD. Fitas VHS foram utilizadas em mais de três décadas de memória. A partir do momento que o vídeo cassete saiu de linha as pessoas se deparam com o seguinte problema: como passar a fita para DVD? A resposta seria simples. Um VT ligado a um computador ou integrado ao DVD (como vários modelos que foram lançados no mercado na época da explosão do DVD) resolveria todo o problema. Porém, o estado de conservação desse arquivo em VHS deixa a questão bem mais complicada. As fitas que eram mais novas foram convertidas com facilidade. Mas até hoje existem muitos arquivos que não foram convertidos, e com o passar do tempo um problema maior aparece. O mofo é um inimigo da reprodução do vídeo em VHS. Ele pode inclusive danificar a fita e o vídeo cassete em que ela é reproduzida. E agora? O que fazer com essa “praga” do vídeo? Como recuperar aquele casamento? Aquele aniversário? Aquele momento histórico?

VHS 2Em Juiz de Fora existem produtoras de vídeo que fazem a conversão de VHS para DVD. Porém o processo de remoção do mofo é precário. Conversamos com o dono de uma dessas produtoras. Ele afirma que para tirar o mofo da fita sua mulher usa um vídeo cassete velho, coloca algumas folhas de papel higiênico no caminho da fita, rebobina e avança a fita várias vezes para limpar, e assim remove o mofo. Conversando com o dono de outra produtora, ele afirmou que usa um cotonete embebido com álcool isopropílico para remover o mofo dos VHS. “Leva o dia inteiro, mas prefiro fazer assim porque é mais seguro (…) É muito fácil enganar o cliente usando um vídeo cassete velho, pois, ao rebobinar e avançar com velocidade para remover, ele danifica a fita ao tirar o mofo pelo atrito, e fica fácil jogar a culpa na qualidade da gravação e no tempo que a fita ficou mofada”.

O estudante de história da UFJF, Jimmy Klaus, está trabalhando em um documentário para seu trabalho de conclusão de curso. Essa pesquisa envolve vários arquivos de vídeo em VHS que datam do início da década de 80. Além desse trabalho, Jimmy coleciona vários vídeos em VHS. Ele afirma que o trabalho dele exige muita confiança, pois se houver algum dano à fita a ser restaurada é uma memória perdida para sempre, e assim,ele não tem condições de fazer esse trabalho em Juiz de Fora. “Para o documentário, a equipe de produção vai adquirir um equipamento de uma firma especializada do Espírito Santo. “Assim nós mesmos faremos a restauração. É preferível comprar o equipamento, pois são muitas fitas e se fossemos contratar alguém para fazer essa restauração com qualidade real ficaria muito mais caro”, afirma.

Com esse equipamento o processo de remoção de mofo é feito em duas etapas: na primeira a fita é desmontada. Separa-se a caixa do carretel da fida. O mofo é removido da caixa por um pincel e um removedor (álcool isopropílico). O carretel da fita passa pelo equipamento para o mofo ser removido. O equipamento lembra um VT, mas é apropriado para esse uso. Na segunda etapa, a fita passa novamente pelo equipamento, só que dessa vez é aplicado uma solução de álcool isopropílico e a fita magnética recebe um polimento. Em seguida é montada novamente na caixa original e limpa. Jimmy lembra que não adianta a fita estar limpa se os cabeçotes do vídeo cassete estiverem sujos. Isso faz com que o mofo se reproduza novamente sobre a VHS.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Se você quiser saber mais sobre mofo e limpeza de cabeçotes, seguem abaixo três links úteis.

Como desmontar a fita e tirar o mofo da maneira adequada

Como limpar os cabeçotes do vídeo cassete

Aparelho tira mofo original (empresa que tem a patente)

3 Respostas para “Restauração de fitas VHS para conversão em DVD ainda é precária na cidade

  1. Pingback: Destaques da Edição de 08/04 a 14/04 « Juiz de Fora Online

  2. Interessante a reportagem sobre as fitas de VHS, é muito importante para converte-las para dvd estejam limpas e sem mofo, ou seja conservadas. Uma dica importante para conservar as fitas é guarda-las em locais secos e arejados e pelo ao menos uma vez a cada seis meses rebobina-las no video cassete, isso ajuda a evitar que os fungos ataquem suas fitas. Realizo este serviço de conversão de fitas para VHS e utilizo esta maquina propria para isso e funciona muito bem, qualquer duvida entre em contato 32118975

  3. Humberto

    Muito obrigado, fiquei muito contente pois terie muita duvidas a respeiro de limpeza fita e video casset. Abraço humberto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s