Patrimônio de Juiz de Fora completa 80 anos

Michelle Clara – 24/06/2009

Vista do Palco do Cine- teatro

Vista do Palco do Cine- teatro

O Cine Theatro Central completou, no dia 30 de março de 2009, oito décadas de existência. Desde sua concepção, tinha o objetivo de ser um espaço elegante, refinado, próprio para espetáculos de grande porte. Localizado em um ponto central de Juiz de Fora, o teatro foi construído por iniciativa particular.

A cidade vivia um período de grande desenvolvimento. Tinha um perfil industrial e uma sociedade que buscava o enriquecimento cultural. A arquitetura ousada para a época, reúne elementos que causaram espanto em 1929. 

 

A estrutura

 O projeto inicial era dos irmãos Ferreira Lage, filhos de Mariano Procópio. Embora fosse ousado, ainda estava longe da grandiosidade aspirada pela cidade. Quarenta anos mais tarde, começou a construção definitiva da fundação do Theatro Central. A companhia Pantaleoni Arcuri foi a responsável pelo projeto, assinado por Rafael Arcuri. A construção durou um ano e quatro meses e, devido à sua imponência, quase não seguiu adiante por falta de dinheiro. 

O amplo vão sem colunas e a utilização de uma armação de metal, importada da Inglaterra, eram novidades que permitiam uma visão ampla de qualquer posição dentro do teatro. O luxo e o bom gosto foram além. As pinturas que decoram as paredes foram feitas por Ângelo Bigi. Os afrescos têm inspiração em ninfas, faunos e música. Imagens de jardins bucólicos e liras que remetem à antiguidade clássica estão por todos os lados . Estão marcadas, ainda, figuras de grandes mestres da música, como Verdi, Beethoven, Wagner e Carlos Gomes.

Pintura assinada por Ângelo Bigi

Pintura assinada por Ângelo Bigi

Mas quem observa todo o ambiente percebe que o piso destoa do resto. A verba da construção acabou antes que o piso fosse feito seguindo o projeto inicial.  Os banheiros masculino e feminino do teatro possuem dimensões diferentes: o dos homens é bem maior que o das mulheres. Porém, isso não foi um erro de cálculo, e se explica pelas condições da época: não era comum as damas freqüentarem este tipo de ambiente. assinatura

 

Veja também Uma visão em tela grande e o vídeo Cine Theatro Central de Juiz de Fora com o depoimento de Júlio Sampaio.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s