Aldeia Global

Quebra de Monopólios

A rede mundial de computadores interconectados mal chegou a idade adulta é já promoveu uma revolução comparável à criação do telégrafo, ferrovia, telefone, luz elétrica e televisão, por exemplo. Com seus vinte e poucos anos a web já alterou significativamente a forma de fazer política em escala global. A rede “nasceu” como um projeto militar em tempos de de Guerra Fria e, atualmente, permite a articulação de movimentos como, por exemplo, o Fórum Mundial Social.

Software livre, em outras palavras, a revolução dentro da revolução. A internet, que essencialmente se presta ao papel de democratizar, se vê diante do desafio de quebrar monopólios rumo à integração digital. Os chamados software livres tem ganhado cada vez mais espaço inclusive no Brasil. Um dos exemplos mais conhecidos é um sistema operacional chamado GNU/linux. Ele está presente na NASA, na Casa Branca, no governo brasileiro, em 70% das cem maiores empresas brasileiras, na Agência Brasileira de Inteligência, no Superior Tribunal de Justiça, na Embrapa e até nas Casas Bahia, maior rede varejista brasileira que opera integralmente com esse software desde 2003.

Em 2002 o Brasil gastou mais de 1 bilhão de dólares com royalties de software proprietários. Já Extremadura, província espanhola, economizou 60 milhões de euros na informatização de escolas públicas. O governo adotou o GNU/linux ao invés do Windows, abandonou o Office e usou o Open Office, o Mozilla ao Browser Explorer, o Gimp ao Photoshop e assim por diante. Segundo Richard Stallman, criador do movimento mundial do software livre, podemos entender como se fosse um bolo. No livre, você tem acesso ao bolo e à sua receita. No proprietário, não se tem acesso ao código-fonte, ou seja, não há espaço para trocas tecnológicas entre indivíduos ou países.

A possibilidade de reação às informações e aos meios de comunicações tradicionais também ganha dimensões inimagináveis com a democratização propiciada pela rede. Um exemplo é o site da Al Jazeera, tv árabe que faz uma cobertura alternativa da geopolítica mundial, sobretudo dos conflitos no Oriente Médio. Esse efeito cultural da internet reforça a formação de identidades regionais, apesar da flexibilização de fronteiras, sobretudo, se pensarmos em “Dos Meios às Mediações”, de Martín Barbero. A rede intensifica a interação entre o receptor e o emissor, favorecendo a democratização da informação e o fortalecimento do debate de ídeias e pontos de vista.

2 Respostas para “Aldeia Global

  1. dehnobre

    Com a evolução cada vez mais rápida desse meio de comunicação, as pessoas devem adaptar-se e saber usar o espaço sem más intenções.

  2. daviferreira2

    O que seria de nós sem os hackers e seus crackes que liberam os Photoshops, os Corels, os Premieires da vida… quando teriamos em média US$ 1000,00 para comprar cada um desses programas separadamente e com os bug’s (defeitos do software).

    Sou a favor de uma revolução no acesso: os govenos deviam sustentar a pesquisa de softwares e liberá-los para toda a população. Assim o estado teria um papel executivo na democratização do conhecimento. Os programas teriam menos bug’s pois seguiriam um padrão mais estável. A exclusão digital seria zero. Conhecimento em informática não seria mais uma preocupação na hora do povo arranjar emprego. Seria mais uma coisa que ajudaria a resolver o caos social que vivemos…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s